Páginas

Varejo: Usado cabe no bolso


Com o preço dos usados despencando, o momento não é bom para quem pretende trocar o modelo de segunda mão por outro mais novo ou mesmo um zero-km. Mas se a ideia é comprar um carro rodado, seja à vista ou a prazo, a hora é excelente.

PPG Refinish lança líquidos polidor e lustrador


De uso profissional, os produtos fazem parte do sistema de polimento da linha ACS.
Sumaré (SP) - A PPG Refinish, empresa líder de mercado em produtos de repintura automotiva, lança no mercado nacional uma nova linha de polidores automotivos da marca ACS, com destaque para os líquidos Polidor Auto Brilho (Código do Produto C562-1152), e Lustrador (C562-1162), ideais para acabamento final do processo de pintura nova ou repinturas automotivas.

O Liquido Polidor Auto Brilho C562-1152 foi desenvolvido com a mais alta tecnologia, acompanhando a evolução das tintas e vernizes da última geração. Não contém silicone nem cera, elimina embaçamento de polimento com massa, não interfere na evaporação dos solventes, não deixa resíduos brancos em borrachas ou partes plásticas.

Já o Liquido Lustrador C562-1162 foi desenvolvido com a mais alta tecnologia para eliminação de marcas de boinas, pequenos riscos superficiais causados pelo desgastes de uso, bem como pinturas com brilho prejudicado ou levemente queimado pelo desgaste provocado pelo uso natural.

"Um dos maiores benefícios deste produto é a capacidade de remover marcas de polimento deixado pelas boinas de lã, fazendo prevalecer o brilho na superfície", afirma Victor Cabral, Diretor Técnico e de Marketing da PPG Refinish. Além disso, o executivo destaca outros benefícios, como ser livre de cera e silicone, ser formulado à base d’água, não empastar as boinas, não engordurar (os resíduos são limpos facilmente com água) e não manchar as partes plásticas, tais como para-choques, retrovisores e molduras.

"Estes dois produtos fazem parte da linha ACS e juntamente da Massa de Polir ACS formam o conjunto completo de produtos indispensáveis para qualquer oficina de reparo e pintura automotiva", afirma Cabral.

Os líquidos Polidor Auto Brilho C562-1152 e Lustrador C562-1162 podem ser encontrados em lojas de tintas automotivas em todo o país. Mais informações pelo SAC PPG: 0800 055 40 50.
Sobre a PPG Refinish - A PPG Refinish é a divisão de repintura automotiva da PPG Industries e está presente no Brasil desde 1995, onde produz e comercializa uma linha completa de produtos e serviços para reparação e renovação de veículos de passeio e comerciais.
Conhecida no mercado pelos produtos de alto desempenho, ambientalmente amigáveis e inovadores, detém marcas de sucesso como as linhas de produtos Envirobase High.

Performance, Deltron GRS, Dulon, 2K e ACS. Em 2011 e 2012 foi eleita pelos reparadores a melhor empresa na categoria "Indústria de Tintas e Complementos", no prêmio Os Melhores do Ano, realizado pelo Sindirepa-SP. SAC PPG: 0800 055 40 50.

PPG Industries - Empresa multinacional fundada em 1883, com forte atuação no mercado mundial, com mais de 39.900 colaboradores distribuídos em unidades fabris e afiliadas em mais de 60 países, e organizada em Unidades Estratégicas de Negócios atendendo aos segmentos Aeroespacial, Tintas Arquitetônicas, Revestimentos Automotivos, Repintura Automotiva, Chlor-Alkali e Derivados, Fibra de Vidro, Vidros Residenciais e Vidros Arquitetônicos, Tintas Industriais, Produtos Ópticos, Revestimentos para Embalagens, Proteção Anti Corrosiva e Tintas Marítimas, e Sílicas.

PPG: Bringing innovation to the surface™ -O objetivo da PPG Industries é continuar líder mundial de mercado em produtos de revestimentos e produtos especiais. Líder em inovação, sustentabilidade e cores, a PPG disponibiliza aos clientes que atuam nos setores industriais, transporte, produtos de consumo, construção civil e mercado de reposição um leque mais amplo de produtos para tratar superfícies.

Fundada em 1883, a PPG tem sede em Pittsburgh, nos Estados Unidos, e opera em mais de 60 países ao redor do mundo. As vendas em 2011 foram de US$ 14,9 bilhões. A PPG é listada na Bolsa de Valores de Nova Iorque (símbolo: PPG).

Venezuela pretende circuito para Fórmula 1 em 2016

Atual representante da Venezuela na F1, Pastor Maldonado venceu pela primeira vez no GP da Espanha este ano. Foto: Reuters
Atual representante da Venezuela na F1, Pastor Maldonado venceu pela primeira vez no GP da Espanha este ano

A histórica base aérea La Carlota, situada no coração de Caracas, se transformará, por decisão do presidente Hugo Chávez, em um parque no qual deverá ser construído um circuito urbano de Fórmula 1.
O projeto, avaliado inicialmente em US$ 23 milhões, tem previsão de entrega em 2016. Segundo o ministro Estado para a Transformação Revolucionária da Grande Caracas, Farruco Sesto, o governo venezuelano já conversou com as autoridades da Fórmula 1 no ano passado.
Já o diretor do projeto, o arquiteto Lucas Pou, confirmou contatos com Jaime Nogué, que projetou o circuito da Catalunha, que sedia do GP da Espanha. "Pensamos que a Venezuela poderia ser a sede de um Grande Prêmio do Caribe", disse Pou.
O interesse na Fórmula 1 cresceu após a estreia de Pastor Maldonado na temporada de 2011. O venezuelano, patrocinado pela PDVSA, petrolífera estatal do país, conquistou a sua primeira vitória na categoria no GP da Espanha deste ano
A ideia do governo venezuelano inclui, ainda, um centro de convenções, quadras esportivas, um centro tecnológico e abrigo para crianças, além de cerca de cinco mil árvores plantadas, transformando a base Generalísimo Francisco de Miranda em um novo espaço verde. Usado como alternativa ao Aeroporto Internacional Simon Bolívar, em Maiquetía, La Carlota chegou até mesmo a receber uma missa do papa João Paulo II em 1996.

Fórmula 1 quer ofuscar Mônaco com corrida em Londres

Bernie Ecclestone, o chefe da categoria, está disposto a pagar o equivalente a 113 milhões de reais para ter um GP na capital londrina na próxima temporada

O Palácio de Buckingham pode se tornar cenário de GP da Fórmula 1
O Palácio de Buckingham pode se tornar cenário de GP da Fórmula 1 (Thinckstock)
O chefão da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, está com uma ideia fixa na cabeça: ter um Grande Prêmio da categoria em Londres na próxima temporada. E não pretende economizar para concretizar o desejo. Segundo o jornal britânico The Times, Ecclestone está disposto a desembolsar cerca de 35 milhões de libras esterlinas – o equivalente a 113 milhões de reais – no projeto.
A ideia é que o circuito de rua londrino seja erguido em meio a alguns dos mais famosos cartões postais da capital da Inglaterra, como o Palácio de Buckingham, a Praça Trafalgar e o Piccadilly Circus. Se sair do papel, a corrida deve ofuscar o célebre GP de Mônaco e se transformar na etapa mais concorrida do calendário da Fórmula 1.
O plano será revelado formalmente nesta quinta-feira e os principais argumentos da direção da F1 são os números: um público de 120.000 pessoas no circuito, uma audiência televisiva de dezenas de milhões e mais de 100 milhões de libras (323 milhões de reais) em receitas para a cidade.
"Pense no que podemos fazer pelo turismo. Seria fantástico, bom para Londres, bom para a Inglaterra – e muito melhor do que as Olimpíadas", disse Ecclestone. "Se recebermos o OK (do governo local) e tudo correr bem, acho que podemos conseguir", completou. 

Sujeira no ar-condicionado do carro prejudica a saúde e custa caro

Falta de revisões periódicas acarreta no acúmulo de bactérias e fungos.
Para limpar tudo, o prejuízo pode passar de R$ 1 mil, segundo especialista.

Evaporador sujo: carro tinha filtro instalado, mas sem manutenção. (Foto: Divulgação/Freudenberg) 
Evaporador sujo: carro tinha filtro instalado, mas sem manutenção.
Dias quentes e chuvas torrenciais "pedem" o uso do ar-condicionado do carro. Apesar de parecer simples resolver os inconvenientes do calor com um botão, se o sistema não for cuidado da maneira correta, o arzinho refrescante pode virar um "veneno" para a saúde. Isso porque a falta de revisões periódicas acarreta no acúmulo de bactérias e fungos e, para limpar tudo, o prejuízo pode passar de R$ 1 mil.
O primeiro componente e o mais fácil de ser trocado é o filtro de ar ou filtro de pólen. Ele é o responsável por “segurar” a sujeira e proteger o sistema, no entanto, para isso, deve ser trocado, de preferência, a cada revisão. Não existe uma quilometragem exata para a substituição. Vai depender do estado do filtro, ou seja, do quanto ele foi exposto, de acordo com especialistas consultados pelo G1.
Segundo o engenheiro e conselheiro da Sociedade de Engenheiros da Mobilidade (SAE Brasil), Francisco Satkunas, os primeiros sinais de que o filtro está muito sujo são o cheiro de mofo e a dificuldade de ventilação, quando é necessário colocar o ar em velocidades maiores.
Há dois tipos de filtros que podem ser utilizados no carro, mas isto vai de acordo com a opção da montadora. Um é branco, chamado filtro de partícula. O outro é de carvão ativado, o mesmo usado nas velas de filtro de água. A função é igual para ambos: limpar o ar que vai entrar no habitáculo, mas o de carvão tem maior capacidade de filtrar gases e odores.

Nem todos os carros têm filtro
No entanto, nem todos os carros têm filtro de ar — embora eles existam desde 1987, desenvolvidos na Europa para proteger os ocupantes alérgicos a pólen. De acordo com o responsável pelo aftermarket da Freudenberg Não-Tecidos no Brasil (fabricante de filtros), Luciano Ponzio da Silva, é preciso checar no manual do carro ou mesmo na central de atendimento ao cliente da montadora sobre a existência da peça. Até mesmo para se proteger de cobranças de serviços de algo que nem existe no veículo.
Situação de um evaporador que não teve o filtro trocado ou não tinha filtro aplicado no veículo (Foto: Divulgação/Freudenberg)Situação de um evaporador que não teve o filtro trocado ou não tinha filtro aplicado no veículo
Segundo ele, como a caixa do sistema de ar-condicionado é lacrada, apenas uma loja especializada conseguiria fazer uma adaptação para a colocação do filtro. No entanto, o procedimento é caro e pode comprometer partes do veículo por se tratar de uma “gambiarra”.

Limpeza dos tubos
Nos carros com filtro, na troca periódica, os especialistas recomendam também que se faça a higienização do sistema. Ela é feita por um produto em spray que mata fungos e bactérias acumulados na tubulação, já que o filtro não barra 100% da sujeira.
A troca do filtro mais a higienização custa entre R$ 30 e 60 R$ na maioria dos casos. Porém, alguns carros têm sistema mais complexo e exigem mais tempo de mão de obra, assim, os preços podem chegar a R$ 100.
“Alguns carros dão um trabalhão para trocar, por causa da localização do filtro. Na Chevrolet Meriva, por exemplo, é preciso desmontar a grade do limpador de para-brisa, a chamada churrasqueira”, exemplifica Satkunas.
Ar-condicionado de carro exige cuidados (Foto: Affinia Automotiva) 
Filtro de pólen tem que ser trocado regularmente 
Quando a higienização não é suficiente
No caso de carros sem filtro ou com o sistema de ar-condicionado muito sujo, a higienização comum não será suficiente para manter a qualidade do ar. “Nesses casos, é preciso desmontar o painel do carro inteirinho para chegar ao evaporador, que parece um radiador de carro e é o responsável por deixar o ar gelado. Todas as peças têm de ser retiradas e limpas”, explica Silva, da fábrica de filtros. “Depois, tem que montar tudo de novo e conseguir ligar todos os componentes eletrônicos que ficam no painel. Por isso, a mão de obra é tão cara.”
O procedimento demora três dias para ser feito. De acordo com o especialista da Freudenberg, este tipo de serviço custa de R$ 500 a R$ 600. Nos carros com airbag, o valor pode passar de R$ 1 mil.

Filtro portátil
No Brasil, o primeiro purificador de ar portátil exclusivo para carros foi lançado em novembro pela Philips. O objetivo desse tipo de produto é ajudar pessoas que já têm problemas respiratórios, como asma, e até mesmo prevenir doenças. Chamado de GoPure, ele tem o tamanho de um aparelho de DVD.
“Ele é equipado com três filtros e pode ser ligado no acendedor de cigarros ou direto na fiação”, diz a gerente de Marketing da Philips do Brasil, Juliana Gubel. O aparelho vem com sensor que avisa quando é preciso trocar o filtro. Mas a tecnologia ainda é cara no país. Fabricado em Hong Kong, o aparelho é comercializado aqui por cerca de R$ 600.

Nanotecnologia
Carros de luxo europeus já contam com a nanotecnologia para manter o sistema do ar-condicionado limpo. De acordo com Francisco Satkunas, fabricantes nacionais de partes plásticas já trabalham com o uso de nanopartículas de prata, que ajudam a esterilizar o ambiente. Agora, elas aguardam o interesse das montadoras para fabricar a solução em larga escala.
“A indústria nacional já está capacitada. Com essa solução, não seria mais preciso fazer as higienizações periódicas, mas somente a troca do filtro.” Enquanto a tecnologia não chega, a prevenção é a manutenção mais barata para manter o ambiente do carro saudável.

 

Saiba como manter seu capacete sempre limpo para evitar doenças

Falta de higiene pode causar problemas respiratórios e na pele.
Forro interno deve ser lavado ao menos uma vez por semana

Capacete acumula material orgânico e é foco de bactérias (Foto: Rafael Miotto/ G1) 
Capacete acumula material orgânico e é foco de bactérias 
Com a chegada do verão, que começa oficialmente nesta quinta-feira (22), e o aumento da temperatura, andar de moto pode não ser uma tarefa fácil, sobretudo nos grandes centros urbanos. O calor provoca o excesso de suor nos usuários de capacetes e isto exige maior cuidado com a higiene do acessório de segurança. “Suor e material orgânico, como a escamação da pele, facilitam o crescimento de organismos no capacete”, explica o infectologista e clínico geral da Universidade de São Paulo (Unifesp) e motociclista Paulo Olzon Monteiro da Silva.
“A má higiene do capacete pode servir de fonte de contágio para doenças respiratórias e da pele, como micoses. O ideal é mantê-lo limpo e não compartilhar com outras pessoas”, explica.

Contudo, manter o capacete limpo não é algo simples e alguns cuidados devem ser tomados para que ele não estrague. “O Ideal é utilizar detergente neutro, para não danificar os tecidos e outros materiais”, aconselha o gerente de vendas da Taurus capacetes, Gianfranco Ugo Milani. Atualmente, a maioria desses equipamentos conta com o forro interno removível, o que facilita a limpeza.

O indicado por infectologistas e fabricantes do acessório é lavá-lo ao menos uma vez por semana. Se o uso for diário, isso pode ser feito como maior frequência, como faz o vendedor Eduardo Marques Fontes.
O motoboy André da Silva só limpa o capacete quando a esposa o obriga (Foto: Rafael Miotto/ G1) 
O motoboy André da Silva só limpa o capacete quando a esposa o obriga
“Lavo a forração interna duas vezes por semana e também faço o polimento da lente e do casco”, diz Fontes, que utiliza moto todos os dias para ir ao trabalho. Dono de sete capacetes, o vendedor mantém apenas dois em uso, pois os outros já não estão mais apropriados: as fabricantes indicam de 3 a 5 anos de uso para cada capacete, pois, com o tempo, vão perdendo as características de proteção. “Gosto de guardá-los, pois realmente tenho um carinho especial por eles”, acrescenta o vendedor.
O indicado é utilizar o capacete de 3 a 5 anos, pois depois perde suas propriedades (Foto: Rafael Miotto/ G1) 
O indicado é utilizar o capacete de 3 a 5 anos, pois depois perde suas propriedades
O conselho de não compartilhar capacetes é seguido à risca pelo trabalhador autônomo Charles Silva. Ele utiliza a moto diariamente, tanto para transporte próprio, quanto para levar esposa e filhos aos compromissos. “Lá em casa cada um tem o seu capacete. Minha esposa tem um e dois de meus filhos, que já têm idade para andar na garupa, também possuem seus próprios capacetes”, explica.

Nem todos têm tanto cuidado. “Vou ser bem sincero, eu sou relaxado mesmo. Só limpo quando minha mulher me obriga”, afirma André da Silva. “Só de vez em quando passo uma escova com água e sabão”.

Como fazer a limpeza
Se a forração for removível, tudo é mais simples. Basta "destacar" cuidadosamente o forro — como mostra a imagem abaixo — e fazer a limpeza com detergente neutro. Caso utilize a lavadora de roupas, a recomendação dos especialistas é utilizar a opção "roupa delicada".
Capacetes com o forro removível facilitam a limpeza (Foto: Rafael Miotto/ G1)Capacetes com o forro removível facilitam a limpeza
No caso de capacetes sem forração removível, o indicado é utilizar um pano úmido com detergente neutro e passá-lo nas partes internas, depois deixar secar na sombra. “Se você deixar secá-lo no sol, a alta temperatura pode danificar os materiais internos do capacete e, por consequência, fazê-lo perder suas propriedades de proteção”, ensina Milani.
O ideal é lavar a forração com detergente neutro para não danificar o material. Caso utilize a lavadora escolha a opçaõ roupa delicada (Foto: Rafael Miotto/ G1) 
O ideal é lavar a forração com detergente neutro para não danificar o material. Caso utilize a lavadora escolha a opção roupa delicada
Caso o usuário não possa lavar o capacete, a dica é sempre deixar arejado. “O ar e o calor são fatais para os vírus”, acrescenta o infectologista Olzon. Também é recomendável tomar cuidado com os locais onde irá apoiar sua base, pois mesas, bancos e o chão são fontes de bactérias. O ideal é apoiar o capacete com a abertura voltada para o lado ou para cima, nunca para baixo.

A parte externa do capacete deve ser tratada como a lataria de um carro e o polimento da viseira e do casco pode ser feito com cera. Sobre a imersão do capacete na água, não é muito indicada, pois pode danificar partes metálicas e o líquido pode atingir pontos de difícil secagem.

Lojas do Brasil apostarão em garantia estendida do carro

Concessionários adotam estratégia americana para aumentar lucro.
Outro serviço que deve ser oferecido é a manutenção pré-paga.

revisão do carro (Foto: Arquivo/TV Globo)
(Foto: Arquivo/TV Globo)
Concessionárias adotarão também pacotes pré-pagos de manutenção
Prática comum no mundo dos eletrônicos, a garantia estendida já foi adotada pelas lojas de carros nos Estado Unidos como uma forma lucrativa de fidelizar clientes. Agora, de acordo com o novo presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Flavio Meneghetti, o Brasil também vai aderir à prática, dentro do chamado F&I -que é tudo o que engloba seguros e outros serviços que não são exatamente a venda de carro.
A afirmação foi feita durante o congresso da "Fenabrave" dos EUA, conhecida pela sigla Nada, encerrado na última segunda-feira (6). Para o cliente, o serviço funciona da seguinte maneira: a montadora dá uma garantia - no Brasil chega a 6 anos - e, vencido este prazo, o cliente paga determinado valor ao concessionário para prolongar a cobertura. Para a concessionária, nos dois casos, há a "certeza" de que o cliente voltará, já que a manutenção do carro tem de ser feita na rede da marca para o contrato valer.

Manutenção pré-paga
Outra prática que começa a ser aplicada no mercado brasileiro é a venda de pacotes de manutenção pré-pagos. Assim, o cliente consegue comprar serviços simples, como troca de óleo ou de palhetas do limpador de para-brisa, por preços mais baixos do que os oferecidos em oficinas comuns.
"A rede vai investir cada vez mais em pós-venda, porque a margem de lucro com o carro em si está muito baixa", diz Meneghetti. No Brasil, segundo ele, a rentabilidade é de 2%, em média.
O presidente da Fenabrave afirma que, para a estratégia funcionar, os concessionários precisam manter um treinamento contínuo das equipes de vendas e pós-venda. "Queremos intensificar a atuação da Universidade Fenabrave e de canais de treinamento como a TV Fenabrave e a internet."

'Briga' com as locadoras
Meneghetti afirma ainda que a 'briga' das concessionárias neste ano será contra as vendas diretas. Segundo ele, a Fenabrave vai pressionar a Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) para os dois lados chegarem a um acordo quanto às vendas para pessoas jurídicas, que ganham descontos maiores e compram direto das fabricantes.
"Com a vantagem de preço, frotistas como locadoras de veículos vendem carros a um preço impossível de competirmos", argumenta Meneghetti. Segundo ele, além de contarem com preços mais vantajosos na compra, por pagarem 30% a menos de IPVA, ICMS, Pis e Cofins, as locadoras não pagam ISS, ICMS, Pis e Cofins ao vender o veículo por causa da Lei Kandir.
"As vendas diretas prejudicam as próprias montadoras. Elas desgastam a imagem e o valor de revenda de seu portfólio de produtos", afirma. "Fenabrave e Anfavea precisam achar uma solução juntas."
Não é a primeira vez que a Fenabrave se queixa das locadoras. Em novembro passado, o então presidente Sérgio Reze fez a crítica. Procurado pelo G1, na época, o presidente da entidade a Associação Brasileira de Locadoras de Automóveis (Abla), João Claudio Bourg, afirmou que as locadoras são clientes das próprias concessionárias e, por isso, não haveria motivos para a Fenabrave reclamar. “Nenhuma locadora, ninguém compra veículo direto com montadora. A compra é feita por meio de concessionárias”, destaca Bourg.
No entanto, a Fenabrave alega que, embora o carro passe pela concessionária, a rede de distribuição não recebe porcentagem sobre a venda, por isso se trata de uma venda direta com a montadora.
A Fenabrave diz que as vendas diretas de carros no Brasil representam 30% e que as montadoras teriam perdido o controle deste tipo de operação. Nos Estados Unidos, a rede de distribuição também enfrenta este problema, mas a participação é menor, de 18%, segundo o economista-chefe da Nada, Paul Taylor. Em situação ainda pior, concessionários na Europa tentam resolver o problema na Justiça.

Jeep Compass ‘desaponta’ em teste de impacto, diz Euro NCAP

Honda Civic Hatch atingiu pontuação máxima de segurança na Europa.
Carros 'cinco estrelas' avaliados em 2011 foram bem também neste ano.

O Euro NCAP, entidade que realiza testes de segurança independentes com veículos vendidos na Europa, divulgou nesta quarta-feira (22), dois testes com os mais novos veículos vendidos no mercado global, o Jeep Compass e o Honda Civic Hatch. Ambos foram renovados recentemente.De acordo com as novas regras da Euro NCAP, o Jeep Compass - já à venda no Brasil - alcançou apenas duas estrelas na classificação da entedida, cuja pontuação máxima de segurança é de cinco estrelas.
O SUV compacto do grupo Chrysler foi testado com um opcional airbag de tórax, mas, segundo a entidade, os resultados do teste apresentaram níveis de proteção “pobres”, particularmente nos impactos laterais.
Jeep Compass vai mal em testes de impacto do Euro NCAP (Foto: Divulgação) 
Jeep Compass vai mal em testes de impacto do Euro NCAP (Foto: Divulgação)
 
Na proteção dos pedestres, o Compass marcou 23%, marca considerada “decepcionante” pela rigorosa Euro NCAP. “Os SUVs compactos são o segmento de utilitário esportivo mais popular na Europa, mas o Jeep Compass não se demonstrou como forte concorrente em matéria de segurança, em comparação com outros modelo testados na mesma categoria”, diz a entidade em nota divulgada nesta quarta-feira.

Contudo, outro carro avaliado pelo Euro NCAP, o Honda Civic Hatch ganhou cinco estrelas, atingindo a classificação máxima. A nona geração do modelo alcançou altas pontuações em todas as áreas de avaliação, colocando-o em igualdade com os seus rivais neste segmento. “O carro marcou bem em assistência de segurança e também é equipado com o opcional sistema de freios anti-colisão, o CMBS, que utiliza um radar para acionar automaticamente os freios em caso de emergência. O sistema foi premiado em 2010 pela Euro NCAP.
Desde a reformulação da classificação Euro NCAP, em 2009, a organização de segurança aumentou a aposta na segurança, elevando os seus critérios de cinco estrelas por ano. Em 2012, todo o carro classificado com cinco estrelas devem alcançar uma pontuação total de, pelo menos, 80%.
Honda Civic Hatch ganhou pontuação máxima em teste de segurança europeu (Foto: Divulgação)Honda Civic Hatch ganhou pontuação máxima em teste de segurança europeu (Foto: Divulgação)
 
Por área, a pontuação mínima para proteção de adultos deve ser de 80%, enquanto a de crianças deve ser de 75%. Na proteção de pedestres, o mínimo de segurança deve ser de 60%, enquanto a segurança assistida (airbgs, sistemas de frenagem e estabilidade) deve ser de ao menos 60%.
“Isso se traduz em veículos significativamente mais seguros para os consumidores de hoje, em especial a proteção dos pedestres.”

Capeões de 2011 e 2012
Oito carros avaliados no ano passado também satisfizeram os requisitos mais rigorosos para cinco estrelas em 2012. O Euro NCAP reemitiu a classificação de cinco estrelas este ano para os seguintes veículos: BMW Série 1, BMW X1, Ford Focus, Ford Ranger, Mercedes-Benz Classe M, Nissan Leaf, Subaru XV e Volvo V60.
"Os resultados publicados hoje mostram claramente que um certificado cinco estrelas nos dias de hoje significa muito mais o que um cinco estrelas há alguns anos. Muitos fabricantes de automóveis mudaram e nós também. Carros com base na tecnologia mais antiga não estão fornecendo os mesmos níveis de segurança diante dos modelos mais novos, desenvolvidos com outras metas. Por isso, os consumidores interessados em uma comparação justa não serão enganados por esses resultados", diz em nota o secretário-geral Euro NCAP, Michiel van Ratingen.

Veja dicas para a bateria do carro durar mais

Especialistas alertam para a instalação de itens homologados pela fábrica.
Rádio e faróis são os que mais consomem carga.

Muitos motoristas desconhecem que a bateria dos carros também requer cuidados especiais.
Constituída basicamente de placas de chumbo (positivas e negativas) e solução de ácido sulfúrico (eletrólito), que ficam alojados dentro de uma caixa plástica, a bateria nada mais é que uma fonte acumulativa de energia.
Bateria (Foto: Fernando Garcia)
(Foto: Fernando Garcia)
Antes de instalar novos acessórios, deve-se verificar a capacidade máxima da bateria
Para isso, especialistas apontam para os cuidados com acessórios eletrônicos como rádio, alarme, rastreadores e componentes elétricos e eletrônicos que nunca ficam desligados – como a central de injeção – e são aparelhos que possuem a chamada corrente de stand by.

Luzes (Foto: Fernando Garcia)
(Foto: Fernando Garcia)
  Luz interna acesa também contribui para descarga da bateria 
“Ela puxa energia da bateria quando o veículo está desligado. Esta descarga também pode ser provocada quando se deixa a iluminação interna acesa sem interrupção”, explica o gerente de produto da Baterias Moura, Antonio Júnior.
O rádio e o alarme, por exemplo, dependendo dos tipos que são instalados no carro, podem acarretar uma descarga na bateria de apenas um dia se estiverem funcionando com o motor desligado, de acordo com Júnior. “Utilizar peças originais é a principal dica para que a corrente stand by não descarregue o acumulador”, alerta Júnior. Por isso, o especialista alerta para verificar a capacidade máxima da bateria e do alternador antes de instalar novos acessórios. “Sistemas de som potentes, por exemplo, consomem mais energia e, pode ser preciso optar por peças que tenham maior capacidade”.
Carros parados também consomem energia da bateria
Mas para aqueles que usam o carro esporadicamente ou então precisam “hiberná-lo” por um tempo prolongado, a recomendação é desligar os terminais dos cabos das baterias, a fim de evitar a descarga precoce da bateria.
“Carros parados também consomem energia da bateria. Neste caso, se o veículo for ficar inutilizado por mais de 20 ou 30 dias, caso não seja possível deixá-lo com alguém para o seu funcionamento, o correto é desligar o cabo do terminal positivo, a fim de evitar a redução da vida útil da bateria. Desta forma, evita-se qualquer risco de curto-circuito”, recomenda o professor do curso de Engenharia Mecânica Automobilística do Centro Universitário da FEI (Fundação Educacional Inaciana), Edson Esteves.
Além deste cuidado, Esteves orienta também para manter sempre as capas protetoras - geralmente feitas de borracha ou plásticos - nos terminais. "Outro cuidado importante é manter as capinhas de proteção (plásticas) em cima dos terminais (positivo e negativo) da bateria, que evitam o risco de curto-circuito pelo contato de objetos metálicos", explica o professor.
Segundo os especialistas, a durabilidade de uma bateria, em média, é de 2 a 3 anos, mas pode cair pela metade se o dono não tiver os devidos cuidados como, por exemplo, deixar as luzes ou acessórios ligados quando o motor estiver desligado. Outra dica importante é não dar a partida no veículo com o farol ligado, o que também puxa carga da bateria, diminuindo sua vida útil.
“Mesmo no caso de carros mais sofisticados, com sistema de acendimento automático, aconselho a desligá-lo antes de dar a partida. Desta forma, as chances de a bateria durar mais serão maiores”, aponta o proprietário do Auto Elétrico Kaneto, Marcio Kaneto.
Frente (Foto: Fernando Garcia)
(Foto: Fernando Garcia)
 
Frente do rádio também deve ser removida para evitar desgaste da bateria 
No caso dos rádios, uma dica simples que também ajuda a evitar o desgaste é retirar a frente destacável (para os modelos que a possuem) do aparelho sempre que sair do veículo. “Essa parte já consome stand by e conforme o tipo do rádio pode chegar até a 800mA, o que descarregaria uma bateria convencional em poucas horas”, afirma o gerente Antônio Júnior.
De acordo com o consultor da ADK Automotive, Paulo Roberto Garbossa, para o caso das baterias arriadas, há alguns sistemas de rádio que necessitam de codificação para voltar a funcionar e as concessionárias cobram caro pelo serviço. Por isso a consulta ao manual do proprietário é primordial. “Antes de iniciar qualquer serviço como “chupeta” (ligação direta entre bateria arriada e uma auxiliar), leia antes o manual do veículo. Isso porque, em alguns casos, pode se causar um dano significativo no sistema elétrico do veículo, além de ter um gasto extra”, orienta Garbossa.
Segundo Marcio, da Auto Elétrico Kaneto, os cabos auxiliares vendidos em supermercados para fazer a ligação direta entre as baterias nem sempre são confiáveis, dependendo do estado da bateria. “Tivemos um cliente que processou uma fabricante de cabos auxiliares, pois ao fazer a chupeta no seu Mercedes-Benz SLK o acessório não aguentou a carga e acabou derretendo não só o isolamento, mas também o revestimento do banco - lembrando que nestes carros a bateria é alojada atrás dos assentos”, relata.
Prevenção da bateria depende de outros componentes
Para Kaneto, o ideal é chamar um mecânico de confiança, pois o profissional possui equipamentos próprios para fazer medição da carga da bateria, como scanner ou voltímetro.
Alternador (Foto: Fernando Garcia)
(Foto: Fernando Garcia)

 Alternador em ordem também ajuda a manter a durabilidade da bateria
Através destas ferramentas, o técnico avaliará se o problema está realmente na bateria ou no alternador, componente responsável por transformar a energia mecânica em elétrica, através da corrente alternada induzida por campo magnético. “Nunca é demais levar o automóvel para fazer uma verificação no sistema do alternador, a cada seis meses, em uma oficina especializada. É ele o responsável por fornecer a corrente necessária aos acessórios elétricos e manter a carga da bateria em ordem”, explica.

Carros Usados - Dicas de Compra

Carros Usados – Dica de compra Gol 

Pensando em adquirir um veículo semi-novo? Confira agora nossas dicas referentes ao carro Gol.
Um dos caros populares mais vendidos do Brasil, o Gol da Volkswagen tem pontos positivos de sobra para apresentar os dados de vendas. O Gol é um carro com um belo motor, mesmo sendo 1.0, seu conjunto faz co que seja mais potente do que outros veículos do mesmo segmento.
Além desse fator há diversos outros que fazem com que o Gol tenha preferência de compra. Outro fator positivo dele é o consumo, é econômico e isso ajuda aqueles que procuram economia. As peças dele não são caras, existe também a possibilidade d adquirir peças paralelas caso haja interesse.
Seu design é bonito, arrojado e robusto, agrada muitos jovens. Seu preço é bem competitivo em relação aos veículos do mesmo segmento, sendo assim, o preço não influencia na decisão de compra caso a pessoa esteja procurando um veículo desta categoria. O Gol por ser muito requisitado no mercado, apresenta um índice baixo de desvalorização de mercado, se um dia precisar vendê-lo, facilmente irá conseguir em alguma loja ou particular. 

Como há muitos veículos vendidos em todo o Brasil, a manutenção dele fica mais barato pois a grande  maioria dos mecânicos arrumam facilmente o Gol.  Agora tratando-se dos pontos negativos, o Gol afugenta muitos compradores devido ao alto valor no seguro. Em São Paulo, o alto índice de roubo deste veículo justifica esse valor cobrado pelas seguradoras.
O Gol é o carro mais roupado na cidade, e o índice de roubo representa um grande percentual no cálculo da apólice. Em outras cidades, como este índice cai muito, o seguro também baixa o valor.  Antes de comprar carros usados, não deixe de ler as dicas que constam em nossa home Page do site www.carrosusadosbrasil.com.br lá tem diversas dicas para que você possa fazer uma compra mais segura e avaliar de forma correta a situação do veículo.

Quanto tempo duram as peças do motor do seu carro?

A tecnologia dos dias de hoje produz peças cada vez mais fiáveis e de maior duração, no entanto nada é infalível. Saiba neste artigo qual a duração das principais peças do seu automóvel.
Os automóveis dos dias de hoje são mais fiáveis e as peças têm uma duração maior. No entanto, é importante não ignorarmos a substituição de algumas peças importantes do nosso automóvel, de modo a que este funcione nas melhores condições e em segurança.
Sabe quando é que precisa de substituir alguns dos componentes mais importantes do seu carro? Neste artigo vamos dar-lhe algumas dicas sobre qual o tempo médio de vida das diversas partes do seu automóvel.

 Óleo do motor:

óleo do motor é uma das partes principais do motor do seu carro. Sem ele, seria impossível as peças do motor funcionarem correctamente. Se o óleo do motor estiver em mau estado ou abaixo do nível, vai provocar uma má lubrificação do motor. O óleo do motor do carro dever ser trocado consoante a sua qualidade e propriedades, variando a sua duração consoante as características que ele tiver. Se num ano não completar o número de quilómetros que o óleo consegue suportar, faça na mesma a sua substituição.

Motor de arranque

Motor de arranque:

motor de arranque pode durar toda a vida útil do seu carro. A duração do motor de arranque não está relacionada com a quantidade de quilómetros que o veículo fez, mas sim com a quantidade de vezes que se fez arrancar o motor. Cada vez que accionamos a chave, o motor de arranque vai sofrendo desgaste nos seus componentes. Estima-se que um motor de arranque tenha uma duração de até 50 mil arranques, sensivelmente.

Catalisador:

A peça do seu carro que está encarregue de filtrar os gases de escape, diminuindo partilhas nocivas e ruído indesejado, chama-se catalisador. Um catalisador tem uma média de vida entre os 40 e 60 mil quilómetros. Se começar a notar que o seu carro está a consumir mais que o normal, poderá ser sinal que o catalisador esteja em más condições.

Velas:

Existem dois tipos de velas: as velas de ignição (usadas nos motores a gasolina) e as velas de incandescência (usadas nos motores a gasóleo). As velas dos motores a gasolina têm uma duração entre os 20 e os 40 mil quilómetros e os primeiros sintomas que estão em mau estado são a dificuldade no arranque ou o ralenti instável. As velas podem se deteriorar mais rapidamente se fizer constantes arranques a frio ou se estiver muitas vezes em filas de trânsito.
As velas dos motores a gasóleo têm uma duração superior, que oscila entre os 70 e os 120 mil quilómetros. Nos carros a diesel mais modernos, as velas podem durar até 200 mil quilómetros!
Líquido de refrigeração ou anti-congelante

Líquido de refrigeração:

Também chamado de anti-congelante, o líquido de refrigeração ajuda o motor a arrefecer. Este líquido de tão fácil colocação, pode danificar partes importantes do motor do seu carro, se não estiver nos níveis mínimos. No máximo, este líquido deve ser substituído a cada 3 anos.

Óleo dos travões:

O sistema de travagem também necessita de estar bem lubrificado e isto é feito com o óleo dos travões. Se este não estiver em condições está a colocar a sua vida em risco, podendo ficar sem sistema de travagem. O óleo dos travões deve ser trocado no máximo de 2 em 2 anos.

Bateria:

bateria do automóvel dura bastante tempo, mais ou menos entre 5 a 6 anos ou 70 a 120 mil quilómetros. Os principais sintomas que a bateria do seu carro está gasta, é quando o carro começa com dificuldades em arrancar.

Correia de distribuição:

correia de distribuição é uma peça muito importante e tem uma duração entre os 60 e 120 mil quilómetros. Esta deve ser trocada a cada 6 a 10 anos. Não é possível perceber quando a correia de distribuição está em más condições, por isso não ignore a sua substituição, já que a sua ruptura pode causar danos muito dispendiosos ao motor do seu carro.

Esperamos que tenha gostado do nosso artigo e que tenha ficado mais esclarecido sobre quanto tempo duram as peças do motor do seu carro.

Os carros da telona que deveriam ganhar um Oscar

Veja os carros que fizeram sucesso no cinema. Desde o fusquinha Herbie até o Camaro Bumblebee de Transformers.

Alguns veículos serão sempre lembrados por terem deixado sua marca em alguns filmes hollywoodianos. É difícil ver um Aston Martin DB5 e não lembrar de James Bond fugindo dos bandidos ou então ver um Fusca da Volkswagen e não lembrar de Herbie, o fusca sensível.

Confira a seguir, alguns automóveis dignos de um Oscar, que marcaram forte presença em filmes de Hollywood.

Aston Martin DB5 (007 Contra Goldfinger - 1964): Certamente este é o carro de James Bond que mais marcou em seus filmes. Ele marcou presença em três filmes do agente secreto britânico, sendo equipado com metralhadoras, escudos blindados, serras para cortar pneus, lança-pregos e até mesmo bombas de gás.

Ford Mustang GT 390 (Bullitt – 1968): Steve McQueen, corta as ruas de San Francisco em uma perseguição de 8 minutos comandando um Mustang 68 de 325 cv de potência. 




Volkswagen Fusca 1967 (Se o Meu Fusca Falasse – 1969): O queridinho da Volkswagen já estrelou em cinco filmes e ficou famoso ao derrotar carros bem mais potentes que ele. O que mais caracteriza a atuação de Herbie (nome do Fusca no filme) é a sua capacidade de expressar sentimentos.

Mini Cooper (Um Golpe à Italiana – 1969): Os mini-carrinhos roubam a cena em uma perseguição que ocorre nas ruas de Turim, na Itália.

DeLorean DMC-12 (De Volta para o Futuro – 1985/1990): O carro esporte fabricado no começo dos anos 80 (apenas 8.543 unidades fabricadas) é a máquina do tempo de Michael J. Fox no filme "De Volta para o Futuro".

Ford Mustang Shelby GT500 1967 (60 Segundos – 2000): O papel principal, vivido por Nicolas Cage, precisa roubar 50 carros em somente uma noite para salvar a vida do seu irmão. Em meio a Lamborghinis, Ferraris e outros automóveis potentes, quem rouba a cena é o Ford Mustang Shelby GT500 de 1967 que protagoniza a útlima perseguição do filme. Este Mustang se tornou um super-astro do cinema depois desse filme.

Nissan 350Z (Velozes e Furiosos - Desafio em Tóquio - 2006): O cupê esportivo japonês, com certeza é o destaque do terceiro filme da série "Velozes e Furiosos". O possante conta com um motor V6 de 3.5 litros que gera 287 cv, sem contar o óxido nitroso que eleva ainda mais a força de sua arrancada e sua velocidade.

Chevrolet Camaro (Transformers – 2007): Chamado de Bumblebee no filme, o carro-robô é equipado com um motor V8 de 400 cv, e ainda disparadores de raios laser e um sistema de áudio inteligente. Com certeza, o novo Camaro adquiriu muitos fãs depois de participar deste sucesso das telonas.

O mercado de automóveis brasileiro será o terceiro maior em 2016

Pesquisa mostra que no ano das Olimpíadas do Brasil, o país será o terceiro maior mercado de automóveis. Foram entrevistados 200 executivos de grandes fabricantes de automóveis do mundo.

A renomada empresa de pesquisa KPMG Internacional, elaborou um estudo com 200 executivos do setor automotivo, que indica uma grande possibilidade do Brasil ganhar posições no ranking dos maiores mercados automotivos. Segundo a pesquisa, em quatro anos a quantidade de automóveis vendidos no país se encontrará entre quatro e seis milhões, ultrapassando o Japão.

Charles Krieck, sócio-líder da área que cuida do mercado industrial e auditoria da KPMG Internacional, afirmou: "O resultado da pesquisa demonstra claramente a imagem que o mercado automobilístico mundial projeta para o Brasil: a de um país com economia saudável e ótimas perspectivas para negócios. Ao final, o mercado automobilístico encontrou um lugar próprio no Brasil".

Outro dado importante apontado pela pesquisa, é que os países emergentes do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) tomarão conta de 40% de todo o setor automotivo do mundo em 2016. O topo ainda irá pertencer a China, com os Estados Unidos em segundo e o Brasil aparecendo na terceira posição, ultrapassando o Japão que é o atual terceiro lugar e a Alemanha, atual quarto lugar.

A "Global Automotive Executive Survey 2012 – Managing Growth While Navigating Uncharted Routes" ("Pesquisa Global do Setor Automobilísco – Gerindo o Crescimento Enquanto Rotas Inexploradas são Desbravadas") mostrou que os carros híbridos serão a opção ecológica mais consumida. Ainda assim, um número entre 9 e 14 milhões de veículos puramente elétricos estarão nas ruas do planeta até 2026.

Bruno Senna assina contrato com a Williams

Depois de Bruno ser apresentado oficialmente, Rubens Barrichello (que também estava na briga) poderá ficar de fora da Fórmula 1 este ano.

Enfim, a Williams anunciou oficialmente o brasileiro Bruno Senna como o seu mais novo piloto para a temporada 2012 da Fórmula 1. A novela, que tinha Adrian Suttil e Rubens Barrichello também brigando pela vaga, chegou ao fim. Bruno fará companhia ao venezuelano Pastor Maldonado.

Por conta de um erro no site da equipe, o perfil de Bruno Senna foi postado antes mesmo da nota oficial. Depois de cometer essa falha, era impossível esconder o que já estava certo. O dono da equipe, Frank Williams, declarou: "As condições dadas a Bruno em suas duas temporadas na Fórmula 1 não deram a ele as oportunidades ideais de trabalhar com consistência, então foi essencial que a gente gastasse bastante tempo para entendê-lo e avaliá-lo como piloto".

Bruno também comentou a novidade e se mostrou bem otimista por estar correndo em uma equipe que já contou com seu tio Ayrton Senna como piloto. "Me sinto muito privilegiado por ter sido escolhido pela Williams como um de seus pilotos. A equipe tem um histórico importante e eu espero poder ajudar a escrever um bom capítulo nessa história".

Confirmação de uns e incertezas de outros. A última vaga restante na Fórmula 1 é para a pequena equipe HRT e com isso, a situação de Rubens Barrichello se tornou crítica. Pelo Twitter, o recordista de participações em corridas na categoria contou: "Fala galera. Pois é, não estarei guiando o carro da Williams este ano. Desejo ao meu amigo Bruno Senna muita sorte. O futuro está em aberto... ".

No início do ano, as especulações de que Bruno iria mesmo correr pela Williams estavam bem evidentes, principalmente após o bilionário Eike Batista (que investe na Williams através de sua empresa OGX) confirmar o fato pelo Twitter.

O que resta para nós, torcedores, é acreditar que Bruno Senna voltará a colocar o Brasil no topo do pódio, o que não acontece desde 2009, quando Rubinho venceu o GP da Itália.

Economizando no transporte utilizando a carretinha reboque

Por que investir em uma carretinha reboque? Em algumas regiões brasileiras, o termo reboque é costumeiramente utilizado, enquanto em alguns estados é normal ouvir os termos carreta reboque ou, simplesmente, carretinha. Regionalismos à parte, a carretinha é um excelente equipamento acessório para veículos motorizados. A carretinha cumpre perfeitamente seu papel no apoio ao transporte e reboque de outros veículos, barcos, iates e até animais. Na área rural, por exemplo, você encontrará vários destes veículos reboque trafegando pelas vias públicas, onde dentre eles há um modelo dedicado à transportar animais. Na área urbana, é possível ver várias carretinhas circulando com móveis ou objetos de grande porte, especialmente eletrodomésticos e cargas pesadas. Esses acessórios são utilíssimos pois proporcionam transporte rápido com baixo custo. Uma deficiência natural da carretinha reboque é o desgaste da estrutura por causa da corrosão ou ferrugem, mas isto é comum somente nas regiões litorâneas. Outro fator limitante é a falta do espaço necessário ao estacionamento das carretinhas. Nem todas as residências dispõe do espaço necessário, e por essa razão torna-se necessário guardar o veículo em uma garagem privada mensalista. Caso você consiga encontrar uma vaga em estacionamento descoberto para guardar sua carretinha reboque, basta adquirir uma capa automotiva, que poderá ser constituída de lona simples, afim de proteger seu reboque contra as ações do clima.
Normalmente, as pessoas confundem carretas com caminhões, sendo que isso dependerá muito da região do país. Em alguns lugares, a população refere-se ao reboque como uma carreta. Nas cidades portuárias, como Santos – no estado de São Paulo – o termo carreta é mais utilizado quando deseja-se falar sobre caminhões. Em vários jornais vemos manchetes noticiando acidentes entre automóveis e carretas, ou seja, veículos de passeios e caminhões. A carretinha reboque têm algumas características que as confundem com seu primo distante, pois a exemplo da carreta, o reboque também não possui tração própria, ou seja, é um veículo não motorizado. Por essa razão, ele necessita ser conectado à um veículo automotor através do engate. As principais situações onde a carretinha reboque será necessária é, obviamente, onde exige-se grande capacidade no transporte. Esse transporte exige geralmente veículos maiores, como caminhões ou carretos com caçambas simples. Às vezes, é muito trabalhoso ou dispendioso procurar empresas as quais fornecem tais serviços, e a opção do reboque surge como escolha mais prática e também econômica. Se você calcular os custos detalhadamente, verá que nem sempre contratar um carreto é o melhor caminho, pois alguns caminhoneiros cobram valor entre R$80 a R$150 reais nos serviços relacionados a frete e entregas rápidas. Enquanto isso, é possível alugar reboques para carros a partir de R$30 reais a diária.
A vantagem de locar reboques consiste na praticidade e autonomia proporcionados por estes acessórios no transporte das cargas. Este veículo não traz grandes despesas e custos de manutenção, inclusive com seu licenciamento – consulte o site do DETRAN para mais informações. Para o lazer, a carretinha reboque mais uma vez mostra sua grande utilidade em ocasiões quando você deseja viajar e deseja levar também sua motocicleta, e para situações como esta existe a carreta para moto. O próprio condutor ou motorista que manobrará seu veículo naturalmente também conduzirá o reboque, e essa independência em trafegar sem depender de terceiros confere maior tranquilidade ao responsável pela carga ou pelos objetos transportados. O aluguel da carretinha têm um custo benefício muito bom, e a vantagem principal da locação é economizar com custos normais do frete. Mas, mesmo se você desejar comprar uma carretinha reboque nova seguramente fará um excelente investimento patrimonial. Ter seu próprio reboque tornará seus transportes muito mais fáceis e rápidos, uma vez que estes veículos são muito simples de conduzir e não requerem habilidades excepcionais por parte dos condutes para trafegar nas ruas e avenidas mais movimentadas. Contudo, devido ao maior número de eixos e ao comprimento total dos veículos conduzidos, é evidente que o motorista deverá ter atenção redobrada ao trafegar com seu reboque, mesmo durante as manobras com as quais já está acostumado.
Agradeço o apoio dos amigos - Dag

Estamos no facebook

Ouça o meu Pássaro

Vamos Rir um pouco?

Fotos de satélite, antes e depois do tsunami no Japão

Peixes

src='http://parts.kuru2jam.com/js/swflayer.js'>